Ten Cel diz ser contra promoção por tempo de serviço. Dos praças, a dele, oficial, ele é a favor





Recebi um email com uma carta do Ten Cel. Walace endereçada ao Deputado Josias da Vitória, criticando de forma veemente, a proposta do deputado na criação de lei de promoção por tempo de serviço (15 anos) que beneficiará de imediato mais de 1500 soldados na PM do Espírito Santo. Vale lembrar que muitos estados esta promoção é automática aos 10 ou 8 anos de serviço para cabo e 15 ou 20 anos para sargento e, em alguns casos, não precisa nem de vagas disponíveis.

Detalhes da lei apresentada pelo Dep. Josias da Vitória pode ser conferido aqui.

Você ficará estarrecido com os argumentos do Ten. Cel. Walace que passo a transcrever abaixo. Ao final comento minha opinião e espero a opinião de militares de todo o Brasil logo abaixo:





O dito email tem o título interessante de Mel para abelhas
Obs. aqui foi transcrito na íntegra, inclusive com erros. Apenas grifamos os pontos mais polêmicos:



Amigos (as) e nem tanto,

Em face da leitura de um projeto de lei que incorre em risco de ser aprovado na Casa-de-dizer-sim, me vi compelido a escrever ao Dep. Da Vitória (proponente), emitindo minha breve opinião sobre o assunto, pois "só ovelha morre em silêncio".

Um abraço a todos pela paciência em ler.

Ten Walace

*********************************************

Deputado Josias,

Louvo suas iniciativas. Elas se espraiam no vazio de idéias que permeiam a nossa Casa-de-dizer-sim, mormente no que tange a benefícios abrangentes para a PMES.

Pelo tempo em que vc por aqui lutou, sabedor de que há muito mais coisas que sua força política poderia fazer, vc subestima sua competência com projetos de lei ( a até leis já aprovadas) que não engrandecem sua história.

A sua permissão (ou omissão) na aprovação da LC 420 me entristece. Vc poderia utilizar sua competência para modificar alguns artigos ali existentes que só nos massacram e que muito lhe seria últil politicamente se vc os modificasse, pois afetam diretamente toda a tropa, principalmente os Soldados que estão ingressando. Não estou falando dos 35 anos de serviço, nem da tabela, nem do impedimento de averbação de férias. Se quiser uma amostra, poderei lhe enviar para avaliação.

E o que poderemos falar sobre a LC 467? Vc já percebeu o tiro dado no pé e agora quer criar um novo dispositivo para incentivar os Soldados a não se preocuparem em estudar, se aperfeiçoar e, assim, se manterem incompetentes em um debate com algum meliante de colarinho que tenham de prender.

Isso é muito ruim. Vc não pode compactuar com a preguiça, com o desinteresse pela cultura, pelo aperfeiçoamento, pelo labor em busca do afastamento das rédeas que nos dominam desde o puxadinho que a Força Pública ocupava no porão do Anchieta, em 1835.

Premiar a ignorância e o comodismo pode lhe ser interessante politicamente, mas não é interessante para a Corporação, pois ela só perde com isto. Perde em qualidade, perde em credibilidade, perde em respeito.

Até entendo o seu viés político da proposta. A PM já foi o seu fim, sua fonte de sustento. Hoje, ela é o seu meio, instrumento através do qual vc se consolida como parlamentar. Também entendo que vc deve ter trabalhado com policiais tão medíocres (de Sd a Cel), que, pela experiência, qualidade e credibilidade não são virtudes que muito lhe interessam para a PMES.

Respeito sua postura, da mesma forma que respeito todos aqueles que depositaram um voto de confiança na sua ação parlamentar. Contudo, a PMES é maior que o interesse de alguns militares que, nos momentos de folga, preferiram trocar os bancos escolares pela cerveja, pelo buteco, pelo churrasco, pelo "ishkema", certos de que a desídia e o descompromisso consigo mesmo, com seu futuro, seria premiado em algum momento, por leis oportunistas, independentemente das suas qualidades e habilidades.

E não falo isso sem conhecimento profundo de causa, pois fui soldado com muito orgulho de uma turma de 110 alunos, sem pai para me dar estudo de qualidade ou sustento sem produzir alguma coisa. Só que, ao terminar o CFSd, não me empolguei com um .38, com um Rayban e com a ilusão de autoridade que invade a cabeça de um adolescente quando ingressa na Corporação.

Tratei de Estudar, pois ainda que na época não houvesse esta premiação pela preguiça, e exatamente por isto, desde o início percebi que só quem se qualificasse poderia se habilitar a ser um graduado ou um Oficial.

Certo estou de que, se por aquela época já houvessem estas leis que premiam e louvam a desídia, a preguiça e o relaxo cultural, bem me seria possível que eu me desleixasse e me entregasse à esbornia, com a garantia de que, em algum momento, as lagartinhas cairiam do céu, digo, da mão de algum santo integrante da Casa-de-dizer-sim, e eu não precisaria me esforçar para distinguir se assembleia se escreve com um "S", com dois ou com "Ç".

O projeto atual, da mesma forma que foi a LC 467 é mais um desserviço à PM. Enquanto outras corporações lutam para que todos os seus membros tenham ou já ingressem com um curso superior, exatamente para podermos pleitear junto ao governo melhores salários e condições de trabalho, estes dispositivos legais nos colocam na margem do processo evolutivo-cultural da sociedade.

Melhor seria que vc propusesse um dispositivo legal que voltasse a ter o CFS e o CFC, devendo serem feitos anualmente, não extinguindo o CHC ou CHS, mas reservando um percentual de até 20% do efetivo previsto para ambas as graduações, ficando o restante para aqueles que não se entregassem à esbornia e à certeza de que a moleza será premiada.

Vc poderia estar, com isto, dignificando ainda mais sua função, agora em nível institucional, pois saberia que daqueles Sargentos e Cabos que vc encontrasse pelas ruas, um número pequeno haveria "ganhado" as divisas. E não venha me dizer que aquilo que fazem no CFA os qualifica para coisa nenhuma, que isso não cola, pois para ser da forma que é, preferível seria que recebesem as divisas nos Batalhões e recebessem os salários de acordo com as novas graduações.

Muito me preocupa como serão os Sargentos de amanhã. A última turma que realmente fez um Curso de Sargentos foi em 1995, e, ainda assim, com um curso de formação, temos uma meia resma por aí que não deveria ser nem Soldado, pois só se garantem pelo Salário que recebem e vivem disseminando a discórdia e a desunião dentro da própria graduação e da Corporação.

E elo de ligação entre o Comando e a Tropa já deixou de ser o Sargento há muito tempo. E o escrivão de IPM? e o encarregado de Sindicância, quem será? e o chefe de Guarnição? Muitos, saem do CFA ostentando divisas de Cabos e Sargentos apenas pelo salário. Ao voltarem para suas Unidades continuam com o mesmo comportamento anterior, onde o subordinado tomava as decisões e decidia o roteiro do preventivo.

Dep. Josias, se vc quer realmente fortalecer a Corporação que outrora lhe recebeu e da qual até hoje vc se beneficia, alimente-a com sementes de esperança. Não lhe dê mesas fartas de guloseimas de fácil digestão e que lhe cause fome em curto prazo.

Utilizar-se dela para seus objetivos eleitorais, é aceitável, é o seu papel. Mas não se esqueça que a perpetuação dela só será possóvel com a melhoria da qualidade de seus membros, com a exigência de qualificação dos seus integrantes, com a criação de leis que a deem credibilidade perante a sua clientela externa, pois é em função desta que a PM existe.

Criar leis que apenas transformem todos os Soldados em Cabos não os qualifica, não os dignifica. Isto só aumenta o salário e só aumento de salário não os torna mais dignos, mais compromissados com o serviço ou mais preocupados com os rumos da corporação, pois se assim o fosse, os membros do Poder Judiciário e do Legislativo seriam as pessoas mais preocupadas com o funcionamento da sociedade que qualquer outra. E a coisa não é assim!

Caso vc keira alguma idéia de modificação de normas que regem a PM e que lhe poderia ser interessante analisar e apresentar em plenário, estou ao seu dispor.

Mas, premiar o preguiçoso, o desinteressado...não!

Um fraternal abraço.

Ten Cel Walace
walace.brandao@hotmail.com


Fala Almança: Confesso que há muito tempo não lia um texto tão sem propósito, torto, preconceituoso, pretensioso e principalmente desrespeitoso com a PM, com os praças que dela fazem parte e com o Deputado Josias Da Vitória. Penso que esta opinião será de muitos pelo país afora. Por isso peço que todos comentem logo abaixo na caixa de comentários.

O autor já no início, desrespeita o Deputado Josias da Vitória. Se o autor fosse escrever a qualquer outro deputado estadual, usaria o mínimo V.Sa. ou Senhor. Mas como o Deputado é Cabo PM, o autor ignora o fato do mesmo ser Deputado Estadual, o que lhe renderia ou devia render o mínimo de respeito ao ser tratado em uma correspondência, mesmo um simples e-mail.

Em seguida o Ten. Cel. diz que a lei será um incentivo aos "Soldados a não se preocuparem em estudar, se aperfeiçoar e, assim, se manterem incompetentes em um debate com algum meliante de colarinho que tenham de prender." Não sei em qual PM o Cel. se encontra, mas grande parte dos praças hoje, possuem nível superior, muitos estão cursando e aqueles que não possuem não devem se envergonhar, pois fizeram um concurso público que não era exigido este grau, fizeram o curso de soldado e estão trabalhando.

Todos os soldados da PM do Espírito Santo foram jogados em uma vala comum, taxados como incompetentes. Se há algum erro nesta história é culpa do Governo do Estado que não exige o nível superior, pois quer continuar pagando aos seus policiais, salários de nível médio e em alguns estados, de nível fundamental.

Será que reconhecer 15 anos de serviços prestados a comunidade, com alto risco de vida é "Premiar a ignorância e o comodismo! ? E o que dizer das promoções do oficial, seis ao todo ao longo de sua carreira? Será que estas promoções são para premiar a ignorância e o comodismo, já que elas advêem com o tempo sem que o militar precise passar por outro concurso interno? Isso soa a hipocrisia. E como disse o pensador francês Luc de Calapiers, "a hipocrisia é uma impostura refletida".

"Tratei de estudar." O estudo pode torná-lo uma pessoa melhor, mais preparada profissionalmente, mas não o torna melhor que as outras pessoas na essência do ser humano. E hoje isto é tão comum, que torna sem sentido alguém evocar o fato, como se isso fosse diferenciar dos demais.

Nenhum soldado na PM pensou em se apoiar em "leis que premiam e louvam a desídia, a preguiça e o relaxo cultural", ou se tenham se entregado "a esbornia, com a garantia de que, em algum momento, as lagartinhas cairiam do céu" de caso pensado, ou que "preferiram trocar os bancos escolares pela cerveja, pelo buteco, pelo churrasco, pelo "ishkema". " Baixos salários e em alguns anos atrasados, vida sedentária, profissão altamente estressante, problemas de saúde, problemas familiares, as vezes fazem que pessoas tomem caminhos diferentes, façam escolhas diferentes. São problemas mais sérios que não merecem uma análise tão superficial e amadora do tema. Deveria ser sim objeto de preocupação da Instituição e principalmente com o objetivo de saná-las ou minimizá-las e não de críticas.

"... se vc quer realmente fortalecer a Corporação que outrora lhe recebeu e da qual até hoje vc se beneficia, alimente-a com sementes de esperança."

Pergunto, com todo respeito, o que o senhor tem feito para a tropa, quais "sementes de esperanança" que tem plantado? O que fez até hoje para tirar nossa tropa da escuridão e da ignorância que julga ela estar? O que o senhor tem feito pela melhoria da nossa categoria, o que tem feito pela PEC 300?

Hoje, no ES, bombeiros possuem descontos em várias faculdades do Estado e o PM não, por quê? Será porque lá existem oficiais que estão plantando "sementes de esperança" e na PM não?

Lamento profundamente que ainda tem pessoas com pensamento desse nível, que olham somente para o próprio umbigo, esquecendo de pessoas ao seu redor, esquecendo de seus subordinados. “ao nosso grupo todas benesses, ao subordinados os restos”. Este é o pensamento que queremos que continue a vigorar na Polícia Militar? Até quando vamos conviver com isso? Por que duas polícias? Por que não podemos caminhar juntos, lutar juntos por aquilo que acreditamos?

A gerência tão falada em nossos regulamentos está em suas mãos, pratique-a. Erre, acerte, mas tente. Saiam dos gabinetes, ouçam sua tropa, façam parte dela, pratiquem a humildade, façam do menor DPM ao Quartel do Comando Geral um lugar agradável para se trabalhar, com respeito, dignidade, honestidade. Reconhecimento.

Não somos um bando de ignorantes, um bando de corruptos, não somos desleixados, comodistas ou preguiçosos. Somos trabalhadores da segurança, todos concursados e como tal merecemos o mínimo de respeito.

SD Almança 
Há 16 anos soldado

***

Abaixo email do SD Siqueira


Boa noite cel Walace, sou soldado da Polícia Militar a quase 17 anos, até achei muito proveitosa a carta do senhor, concordo que alguns companheiros são realmente desleixados, preguiçosos, acham que são espertos demais. Pois bem eu vim de uma cidade da baixada fluminense chamada Nova Iguaçú, vim novo para esse maravilhoso estado, morar com minha mãe quando da separação de meus genitores, ingressei na Polícia Militar com 19 anos de idade, e como o senhor bem disse em sua carta o último curso de sargentos foi em 1995, eu tinha acabado de me formar soldado e não consegui fazer este concurso, depoius disso nunca mais tive a oportunidade de fazer qualquer outro concurso para me graduar, a não ser o super concorrido CFO, que na verdade só os filhos de quem pode pagar bons cursinhos em vitória logram êxito, e infelizmente eu sempre fui arrimo de minha saudosa mãe e não tive esse privilégio. Preguiçoso o senhor pode ter certeza que não sou, sempre fui um bom policial, para ter idéia estou no excepcional e nunca fui nem advertido disciplinarmente, no momento me encontro cursando o sexto periodo do curso de direito que consigo pagar com muito sacrifício. Quanto eu aindea ser soldado depois de tanto tempo, tenho que informar ao senhor que no primeiro concurso da nova lei de promoções fui aprovado entre os primeiros colocados, mas infelizmente após muitos anos de serviços em radio patrulhas fui me tornado um camarada sedentário e com isso me tornando acima do peso, tenho ciência que também tenho minha parcela de culpa nisso, mas vamos voltar ao concurso, fui provado e fiquei reprovado no TAF, pois não conseguir fazer as barras que precisava, mesmo tendo ficado com média de 6,5 no TAF, pois zerei as barras.e ainda depois desse ano fiquei sub judice e sem ter como ser promovido. Então coronel, imagino que não se deve generalizar pois sou um camarada lutador, estudioso e bom profissional, só que infelizmente o destino foi me afastando da minha promoção, entendo que esta lei do Da Vitória daria a nós antigos soldados um pouco de motivação para continuarmos cumprindo nossa tão nobre missão. Espero ser promovido muito em brve para poder continuar minha função em prol da sociedade capixaba cada vez mais motivado e consequentemente enaltecendo o nome da nossa briosa Polícia Militar.

Um grande abraço.

CLAYTON SIQUEIRA DO NASCIMENTO
SD PM RG 16665-4



Ten. Coronel responde ao nosso site e os inúmeros comentários


***




Postagem mais recente Postagem mais antiga Início
 
Copyright © 2014 Blog do Almança
Direitos reservados - FA Publicações Mais Template - Template. Catatan Info